Cadernos assombrados, eleitores ignorados e desigualdade do voto

Este é o nosso quarto e último estudo sobre eleitores-fantasma. Paramos por aqui pois, em nosso entender, a sensibilização para o problema já atingiu um patamar razoável, em virtude da visibilidade que órgãos de comunicação social de cariz regional, nacional e internacional concederam aos estudos anteriores.

 

Essa divulgação estimulou a atenção dos cidadãos, fomentou debates em torno do tema e incitou as autoridades competentes a prestarem esclarecimentos mais completos sobre o que tem sido feito para debelar o problema.

 

Tal permitiu-nos concluir que – no âmbito do quadro legal vigente – estão a ser implementadas boas soluções técnicas para controlar o fenómeno. Ainda assim, o número de eleitores-fantasma permanece demasiado elevado para o que seria desejável, o que nos leva a reforçar algo que destacamos desde o primeiro estudo: a solução pode, e deve, ser política.

Cadernos assombrados

(mais…)